5 opções para eliminar a farinha branca do seu dia a dia


Farinha branca
Farinha branca | Foto: Divulgação

Dicas do professor e naturopata Daniel Alan Costa para deixar a dieta mais saudável

O processo de refinar o trigo para transformar em farinha branca pode ser muito prejudicial e fazer com que o produto final não tenha mais as mesmas propriedades da sua matéria prima. Porém, existem maneiras saudáveis de substituir esse ingrediente industrializado.

Como observam as Medicinas Tradicionais Chinesa e Ayurveda, tudo é cíclico. “Hoje percebemos que este refinamento acaba por distanciar o vegetal dos seus valores nutricionais originais tornando-os maléficos à nossa saúde. Apesar de ser uma fonte rápida de carboidratos, energia pura, essas medicinas afirmam que não é possível extrair o Tchi, prana, na tradução mais ocidental a energia, pois a essência da planta foi perdida no refinamento.

A falta de nutrientes fica evidenciada pelo fato de que o pó raramente estraga, ou seja, bactérias e insetos não se interessam pelo que não tem nutrientes”, explica o professor e naturopata Daniel Alan Costa.

Veja as dicas do especialista do que usar para fazer essa substituição e ter uma dieta mais saudável:

Biomassa de banana verde – a biomassa de banana verde é um prebiótico, ou seja, ajuda a melhorar o funcionamento do intestino, auxilia no processo de emagrecimento, pois mantém a sensação de saciedade por mais tempo devido às características de suas fibras, além de promover o controle da glicemia e do colesterol.

Farinha de tapioca – um dos grandes problemas da farinha de trigo refinada é o fato dela ser pró inflamatória, ou seja, provoca microinflamações de forma generalizada. A farinha de mandioca é a substituta ideal para esta condição, pois não contém glúten e gliadina, responsáveis por esse efeito.

Farinha de linhaça – promove saciedade e ajuda no controle de peso. Possui fitoesteróis que ajudam a regular problemas ginecológicos, como TPM e menopausa, previne diabetes e pressão alta e ajuda a prevenir colesterol alto, além de possuir antioxidantes que combatem informações e o envelhecimento.

Farinha de Quinoa – considerada sagrada pelos Incas, utilizada nos Andes bolivianos há mais de 5000 anos, é fonte de proteínas e tem 16 aminoácidos essenciais presentes em sua composição, entre eles o triptofano, precursor da serotonina, neurotransmissor associado a sensação de relaxamento.

Farinha de Arroz – é a principal substituta para a farinha de trigo em diversas receitas, como pães, massas, biscoitos e bolos. Quem não pode consumir glúten a elege como substituta ideal pelo preço acessível e por ser encontrada com facilidade. É vendida nas versões branca ou integral. Além disso, a farinha de arroz proporciona melhor espessamento da massa, deixando sua textura mais semelhante às receitas originais.

Profº Daniel Alan Costa é fisioterapeuta especialista em Bases de Medicina Integrativa pelo Albert Einstein, Naturopata, Acupunturista integrante da WFCMS (World Federation Chinese Medicine Societies), coordenador do curso de pós-graduação em Naturopatia da UNIP e coordenador geral dos cursos do Sol Instituto Terapêutico/ INESP. Crefitto 3 – 203298-F

Anterior Escola atacada em Suzano retoma as aulas terça-feira
Próximo Secretaria de Educação abre inscrições nesta segunda-feira