AURORA – ENTRE A ESCURIDÃO E A LUZ


Espetáculo teatral é uma homenagem a literatura e abre a 25ª Mostra Dulcina de Teatro, antes de entrar temporada em outros locais. Imagem, uma exposição de fotografias integra o projeto

Projeto que reúne artes cênicas e visuais criado pelo diretor Fernando Guimarães abre a programação da 25ª Mostra Dulcina de Teatro. A partir do próximo dia 29 de julho, entra em cartaz a peça “Aurora – entre a escuridão e a luz”, com dramaturgia criada de vivências pessoais e excertos de textos de autores brasileiros e estrangeiros como, Anne Rice, Gabriel García Márquez, Ítalo Calvino, Nelson Rodrigues, Paulo Paniago, Rubem Fonseca, Sergi Belbel e, em especial, Virginia Woolf, com equipe formada por profissionais de diversas áreas das artes cênicas e estudantes. A apresentações acontecem de quinta a domingo, às 21h, até o dia 9 de julho. O Teatro Dulcina de Moraes fica no SDS Bloco C N° 30/64 – Edifício FBT, Brasília-DF. As sessões começam às 20h30, com entrada franca com retirada de convite com uma hora de antecedência e classificação indicativa de 16 anos.

Em um lugar – Aurora, uma cidade, ou um barco indo ao encontro da Lua, diversos personagens se reúnem e compartilham suas experiências mais marcantes e curiosas. Relatos verdadeiros ou não e que tem em comum as noites de luar que incidiram em suas vidas. Há ainda a chuva, – em uma noite de lua cheia, a chuva apareceu. Choveu por dois anos, dez meses e cinco dias. Chovia tanto e havia tanta água, que os peixes podiam entrar pela porta das casas e sair pelas janelas, nadando entre os aposentos.

Depois de uma estiagem, a chuva agora aparece uma vez por dia, à mesma hora e neste clima surgem as confidências sentimentais, apaixonadas, fantásticas, cruéis, mas sempre surpreendentes. Assim é Aurora, entre a escuridão e a luz, sempre.

Considerando o conceito pirandelliano – a não existência de uma verdade absoluta, em Aurora – entre a escuridão e a luz, uma realidade única pode não haver, mas existem interpretações que prevalecem umas sobre outras. Ou não. “…Sinto saudades da luz da Lua que nos invadia naqueles noites. Quando íamos ao seu encontro navegávamos cantando e tocando nossos instrumentos. Em nossas cabeças era como se tivéssemos em vez de cérebro, um peixe, que flutuava atraído pela Lua. Como todos nós…”, diz um dos personagens.

Aurora – entre a escuridão e a luz, é uma declaração de amor a literatura e ao teatro. Desenvolvido em um processo de criação dramatúrgica, que envolveu argumentos, vivencias pessoais e fragmentos de obras de autores diversos, como Anne Rice, Gabriel García Márquez, Ítalo Calvino, Nelson Rodrigues, Paulo Paniago, Rubem Fonseca, Sergi Belbel e, em especial, Virginia Woolf, cujo estilo da obra As ondas serviu de inspiração para a construção das narrativas.

Fronteiras – A exposição de fotografias Imagem apresenta ao público um olhar sobre o ser humano, suas vivências e experiências. Fotografadas por Sartoryi, as imagens apresentam um diálogo entre linguagens artísticas, uma característica do trabalho do diretor teatral e artista visual, onde ficção e realidade são dispositivos presentes na criação. Neste ensaio concebido por Fernando Guimarães, o público poderá conferir sua proposta presente nos textos dramáticos dos espetáculos que desenvolve em seus projetos solo ou como integrante do Coletivo Irmãos Guimarães. A mostra reúne 17 imagens e ficará exposta de 29 de junho a 9 julho, no Foyer do Teatro Dulcina.

O espetáculo e a exposição fotográfica são criações do diretor Fernando Guimarães, cujo último trabalho, Hamlet, processo de revelação, em parceria com Adriano Guimarães, depois de temporada no Rio e São Paulo, se encontra em turnê e se apresentará em mais de 30 cidades. O projeto foi ainda indicado ao Prêmio Shell, no Rio de Janeiro.

A Mostra Dulcina se consolida como um importante polo de geração artística e conhecimento cultural para o Distrito Federal, além de ser uma iniciativa que em muito contribui para a revitalização do Setor de Diversões Sul.

Serviço

Aurora – entre a escuridão e a luz
Espetáculo teatral
Concepção, Direção e Cenografia | Fernando Guimarães
Dramaturgia | A partir de argumentos pessoais e fragmentos de obras de Anne Rice, Gabriel García Márquez, Ítalo Calvino, Jean Genet, Nelson Rodrigues, Paulo Paniago, Rubem Fonseca, Sergi Belbel e Virginia Woolf

Elenco | Adair de Oliveira, Adilson Diaz, Aline Machado, Carlos Neves, Christiane Santarém, Eduardo Görck, Eduardo Jayme, Ellen Gonsioroski, Filipe Moreira, Jefferson Leão, Lemar Rezende, Lucas Lima, Marcelo Lucchesi, Marina Menezes, Paulo Wenceslau, Rafael Justus e Tiago Barros.

Direção de Movimento | Yara De Cunto
Preparação Vocal e Assistente de Direção | Adair de Oliveira
Desenho de Luz | Camilo Soudant
Sonoplastia | Márcio Franco
Figurino e Visagismo | Direção e Elenco
Fotografia | Sartoryi
Direção técnica | Josenildo de Sousa
Produção Executiva | Direção e Elenco
Assistentes de Produção | Débora Sodré, Gabriel Colela, Hírian Goulart e Paula SeixasAssistente de Iluminação | Higor Filipe
Assistente de Palco | Eduardo Jayme

Temporada da peça | de 29 de junho a 9 de julho, sempre, de quinta-feira a domingo, no Teatro Dulcina de Moraes
Horário | às 20h30, entrada franca, mediante senha/distribuída uma hora antes, no local. Classificação indicativa | 16 anos

Imagem
Mostra fotográfica
Concepção e direção: Fernando Guimarães
Fotografia: Sartoryi
17 imagens
Visitação: De 29 de junho a 9 julho
Das 14h 22h
Local: Foyer do Teatro Dulcina
Entrada Franca
Livre para todos os públicos

Anterior NOMADE ORQUESTRA LANÇA ÁLBUM
Próximo GASTRONOMIA O INVERNO PEDE VINHO