CULTURA TRADICIONAL NA CHAPADA


Cultura Tradicional é destaque na Chapada dos Veadeiros. Encontro de Culturas segue até o dia 30 de julho com muita música, capoeira, cinema, oficinas, rodas de conversa e a “Opereta Azulão Companheiro”montada pelas crianças da Vila de São Jorge

A 16ª edição do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros continua até o próximo sábado, 30, com uma programação que inclui shows, apresentações de cultura popular, mostras de cinema, rodas de prosa, oficinas, além da tradicional opereta, montada todos os anos pelas crianças da Vila de São Jorge sob a coordenação da violeira e arte-educadora Doroty Marques.

Entre as atrações musicais, o Encontro de Culturas recebe, nesta quinta-feira, 28, uma reunião especial de músicos que se apresentam em homenagem a um dos grandes nomes da música popular, presente em várias edições do evento, o violeiro Dércio Marques (falecido em 2012). Dércio foi um dos cantadores que mais fez pela artes nos “Brasis” que estão fora do eixo, unindo artistas de toda parte, de várias gerações, estilos e culturas. Nominado Mostra Dandô o projeto reúne os músicos Kátya Teixeira (SP), Giancarlo Borba (RS), Sol Bueno (MG), Rosa Barros(GO) e Cabocla Inês(DF) para uma grande circulação nacional aonde a música acontece em meio a boa prosa como numa roda de cantoria.

Outro destaque da programação musical desta quinta, o grupo paulista A Barca traz à Vila de São Jorge anos de pesquisa sobre a cultura popular brasileira que foram registrados em dois CDs “Turista Aprendiz” (2000) e “Baião de Princesas” (2002). O grupo A Barca é formado pelos músicos André Magalhães e Ari Colares (percussão), Chico Saraiva (violão), Juçara Marçal, Marcelo Pretto e Sandra Ximenez (voz), Lincoln Antônio (piano), Renata Amaral (baixo) e Thomas Rohrer (rabeca e saxofone).

Na sexta-feira, 29, o palco do Encontro de Culturas recebe os “artistas da Vila”, crianças que participam do projeto “Turma Que Faz”, desenvolvido pela arte-educadora Doroty Marques desde 2003 em São Jorge. Esse ano, a tradicional opereta recebeu o nome de “Azulão Companheiro”, pássaro em extinção, encontrado do Nordeste do Brasil ao Rio Grande do Sul. “Podíamos ter escolhido um pássaro da região do cerrado, mas a intenção de usar o azulão é pelo fato de ele ser nômade”, explica Doroty. O azulão vai viajar procurando a ajuda de seus companheiros. “Ele acha que vindo até aqui encontrará mata secundária, seu habitat natural, mas dá de cara com grandes plantações de transgênicos”. Na opereta da Turma Que Faz e de Doroty Marques, as crianças voarão como pássaros pretos, sabiás, joão-de-barro, periquitos e azulões. Estão ensaiando o voo em tecidos há meses, porque o tempo no espetáculo é cronometrado e a sincronização deve ser perfeita. “É uma das operetas mais difíceis que já fiz na vida, porque não tem meio termo e nem como errar. Ou arrasa ou desarrasa”, conta a arte-educadora.

A cantora Ana Maria Carvalho também se apresenta por lá. Herdeira direta de mestres da cultura popular, a compositora maranhense faz show com forte influência da sua terra natal, permeado por ritmos como o bumba meu boi, cirandas, forró, ladainhas do Divino Espírito Santo, acalantos, sambas e cantigas de roda tradicionais.

No sábado, 30, encerram a programação no palco do Encontro de Culturas o grupo Tambores do Tocantins, projeto musical nascido em 1992, que trabalha com crianças, jovens e adolescentes visando a valorização e a preservação da cultura musical tradicional do Tocantins. Desenvolve atividades de pesquisa, conhecimento, estudo, vivência e prática musical, tornando esses saberes mais ascessíveis.

Sábado o evento conta ainda com uma atração internacional, o grupo mexicano SimeteNaguata’Ane, que visita o Brasil pela primeira vez para participar do encerramento do Encontro de Culturas. Grupo de dança do povo indígena “yaqui”, do estado mexicano de Sonora, o SimeteNaguata’Ane apresenta uma dramatização do ritual da caça do veado, personagem central na cultura de vários povos dos estados mexicanos de Sonora e Sinaloa, pelos paskolas (cazadores). Uma das danças mais tradicionais do México, a Danza Del Venado, é bailada em festas tradicionais dos oito povos yaquis. Os integrantes de SimeteNaguata’ane usam instrumentos musicais como a “jícara” e o tambor para acompanhar os cantos em sua língua. Os dançarinos usam as vestimentas originais das festividades sagradas de seus povos.

Devoção

No sábado, as ruas da Vila de São Jorge recebem as cores, a fé e a devoção da Congada de Niquelândia, que reúne congadeiros da Irmandade de Santa Efigênia. A tradição é uma manifestação cultural e religiosa do interior goiano, nascida no quilombo Xambá, onde viviam negros fugidos das das senzalas Vila Boa (Cidade de Goiás), Meia Ponte (Pirenópolis) e São Felix (Cavalcante).

Cinema e capoeira

O projeto Cinesolar desembarca na Vila de São Jorge com a “Oficina de Cinema de Bolso: produção de vídeos com smartphone para o público jovem (10 a 14 anos). Além da oficina, o projeto, que é uma estaçao móvel de arte, sustentabilidade e cinema, exibe uma série de curtas ambientais e o filme “O Palhaço”, de Selton Mello. O grande diferencial dessa iniciativa pioneira no Brasil é que ela utiliza energia solar fotovoltaica para fazer as exibições dos filmes. Desde 2014 na estrada, o cinema sustentável já atingiu um público espectador superior de 40 mil pessoas, em 130 municípios visitados.

No final desta semana o Encontro de Culturas também abre espaço para o Encontro de Capoeira Angola com o oficinas, rodas de capoeira e rodas de samba realizadas por mestres e seus convidados com o propósito de fortalecer a capoeira Angola e os laços culturais de origem afro-brasileira da região da Chapada dos Veadeiros. O convidado especial desta edição é o mestre Valmir Damaceno (BA), importante nome da capoeira angola no Brasil e no mundo, e um dos fundadores da Fundação Nacional de Capoeira Angola – “FICA”.

Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge

As noites na Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge continuam embaladas pelo forró. Apresentam-se no local, até o fim de semana, o sergipano Mestrinho do Acordeon e seus convidados e a banda brasiliense Xaxado Novo, que fará o pré-lançamento do seu primeiro álbum “Sertão Cigano”.

Confira a programação no http://www.encontrodeculturas.com.br/2016/programacao

Serviço

XVI Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros
Até o dia 30 de julho na Vila de São Jorge – Alto Paraíso (GO)
Programação de rua e rodas de prosa com entrada franca.
Shows na Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge: ingressos a venda no local

Da Redação | Foto Andre Amorim
Sugestões portalaquitem@gmail.com

Anterior SORTEIOS DIÁRIOS NO DIA DOS PAIS
Próximo CAOS EM HOSPITAL DO DF