DENGUE EM CONDOMÍNIOS


A colaboração entre moradores é uma alternativa eficaz na prevenção da dengue. Mega condomínios são uma grande concentração de pessoas e serviços; a união entre moradores e a administração se torna uma alternativa à prevenção da doença

Com 1,4 milhão de casos em todo o país, o Brasil atinge o maior número de infectados pela dengue em 25 anos. A contagem preocupa a população e as entidades envolvidas na solução do problema, que vem se permeando na sociedade devido ao descuido, mesmo minimizado, com as medidas de prevenção.

O crescimento da população e as medidas governamentais tomadas para atender a demanda são desproporcionais aos dados estatísticos de casos registrados em mais de 18 estados. A concentração de habitantes vem aumentando, o que necessita de mais atenção por parte das autoridades, pois a densidade demográfica é diretamente responsável pela multiplicação dos focos do mosquito transmissor da doença.

Megacondomínios, por exemplo, são grandes espaços habitacionais, que podem abrigar quinze mil pessoas e se tornar ambiente para a livre reprodução do mosquito. Qualquer descuido é uma ameaça aos moradores e colaboradores na própria manutenção da comunidade. O desafio aqui se concentra na prevenção contra a doença a partir da colaboração entre todos os envolvidos.

Provocar a sinergia entre os residentes e os que prestam serviço, administram e atendem esses condomínios pode ser efetivo na prevenção da doença. “A compreensão da gravidade e a notificação de possíveis espaços onde a dengue possa se manifestar é importante para que esses grandes espaços atendam às recomendações do Ministério da Saúde sobre as medidas necessárias para evitar o Aedes aegypti”, ressalta Edgar Segato Neto, presidente da Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac).

A Federação alerta quanto à necessidade de intensificar a atenção na limpeza de piscinas e espaços de lazer, comuns em mega condomínios. Edgar Segato Neto recomenda a aplicação de cloro de duas a três vezes por semana. “Se a piscina estive à sombra, malcuidada, abandonada ou sem tela de proteção, ela se transforma em um criadouro perfeito para o mosquito da dengue”, destaca.

Com engajamento pode-se chegar a um resultado eficaz na prevenção, o trabalho dependerá do interesse e da vontade de evitar que a doença atinja esses megacondominios. “Grandes espaços necessitam de atenção redobrada em sua rotina, colaborar e agir com proatividade são diretrizes que devem ser instituídas na cultura da administração e dos moradores”, explica o presidente da Febrac.

Sobre a Febrac

Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac), é uma entidade criada para representar os interesses do dos setores de serviços de Asseio e Conservação. Com sede em Brasília, a Federação agrega sindicatos nas 27 unidades federativas do país e ocupa cargos na Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), na Central Brasileira de Apoio ao Setor de Serviços (CEBRASSE), na Câmara Brasileira de Serviços Terceirizáveis e na World Federation of Building Service Contractors (WFBSC). A Febrac tem como objetivo cuidar, organizar, defender e zelar pela organização das atividades por ela representadas.

Da Redação | Foto John Download
Sugestões portalaquitem@gmail.com

Anterior ROSTO COM APARÊNCIA JOVEM
Próximo DF REGISTRA 181 MORTES NO TRÂNSITO