Grão de aveia contaminada causa a morte de 13 cavalos


Misturadas aos grãos da aveia, as sementes da crotalária são visíveis, mas podem passar despercebidas /Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Animais morreram após complicações hepáticas. Secretaria de Agricultura alerta criadores para observar origem e qualidade de aveia disponível no mercado

Treze cavalos morreram e outros 17 estão em observação após o consumo de um grão de aveia misturada a uma semente chamada crotalária, usada nas plantações para adubação verde do solo. Os casos já identificados aconteceram no Gama, em Formosa (GO), Taguatinga, Recanto das Emas e no Núcleo Rural Tabatinga, região de Planaltina. A Secretaria de Agricultura (Seagri) já notificou o agricultor responsável pela produção. No entanto, ainda há risco de intoxicação de outros animais.

“Alteração no comportamento dos animais ou mesmo uma desconfiança da qualidade da aveia oferecida como grão deve ser comunicada para que possamos analisar caso a caso”, alerta a subsecretária de defesa agropecuária da Seagri, Danielle Araújo.

Segundo Danielle, após tomar conhecimento das primeiras mortes dos equinos, uma equipe de técnicos do governo visitou as propriedades para analisar os sintomas clínicos dos animais. “Verificamos que se parecia com a raiva”, relata. “Fizemos os exames e todos tinham problemas hepáticos.”

Como o problema no fígado é comum em casos de intoxicação, amostras do alimento oferecido aos animais foram levadas para análise. Na Universidade de Brasília (UnB), uma equipe de pesquisadores detectou que a ingestão das sementes de crotalária acarretou na contaminação dos cavalos.

Intoxicação

Embora visíveis a olho nu, as sementes dessa planta, pretas e parecidas com feijões pequenos, muitas vezes passam despercebidas pelo criador de equinos. “Os agricultores costumam plantar a crotalária para fixar nitrogênio na terra”, explica a subsecretária de defesa agropecuária. “A gente suspeita que tenham plantado a aveia logo após uma retirada malfeita da crotalária. Então, ela rebrotou junto com a aveia e, na colheita, tudo se misturou.”

A crotalária produz uma substância secundária conhecida como alcaloide pirrolizidínico, que ataca diretamente o fígado, envenenando o sangue e sistema nervoso. Os animais podem ser salvos dependendo do porte, resistência e até mesmo da quantidade do consumo da aveia contaminada. No DF, a população de equinos está em torno de 20,4 mil.

Sintomas mais comuns em contaminação por crotalária:

Anorexia (falta de apetite)
Agressividade
Atordoamento
Incoordenação (descontrole muscular em alguns movimentos voluntários desencadeada por alteração nos centros nervosos)
Andar cambaleante, andar a esmo
Tristeza
Espasmos musculares
Mal-estar geral
Cabeça baixa
Irritação
Patas dianteiras em abdução e galope sem rumo

Anterior Luto Infantil: como crianças e adolescentes lidam com o processo
Próximo Profissionais de saúde pedem isonomia com carreiras do GDF