NÃO PISE NO QUE ESTÁ NA GRAMA


A cidade das mega construções e empreendimentos imobiliários, das dezenas de praças que embelezam Águas Claras são marcas registradas e peculiares da região.

Mas as marcas registradas não são apenas essas. Entre árvores, flores ou escondidas em meio a jardins, elas estão lá, invisíveis e despercebidas pelas pessoas. Mas caso os cães soubessem ler, estariam “carecas de saber”. Grandes ou pequenas, altas ou baixas e de diferentes formatos, as placas educativas aos proprietários dos cães de estimação fazem parte do cenário do local.

Em uma região com cerca de 600 condomínios, e mais de 90 mil moradores, reflete em uma considerável densidade demográfica canina. E as placas espalhadas que conscientizam aqueles que possuem cães não estão lá para repreender ou incriminar o morador. Pelo contrário. Pode ser encarada como uma forma de aviso para a prevenção de doenças. Afinal, os dejetos deixados e acumulados nos gramados e calçadas podem ser responsáveis pelo contágio de patologias, tanto ao dono, quanto ao animal.

A importância em coletar as fezes do pet de estimação vai além da manutenção de um ambiente público limpo. É o que explica o médico veterinário do Pet Shop Vida de Cão, Leonardo Paixão. “O ideal, é que os proprietários dos cães domésticos tenham o costume de coletar os dejetos do animal porque, ao evacuar, pode ser disseminada uma grande quantidade de patógenos. O cão pode pisar e levar para dentro da casa do proprietário ou até mesmo as pessoas pisarem e carregarem esses microorganismos para as residências”, completa.

Leonardo paixão informa também que existem cuidados importantes para que essa forma de contaminação seja evitada, mas, para isso, é necessário que cada proprietário do melhor amigo do homem faça o correto. “Para que o problema de disseminação e contaminação por patógenos seja evitada, além de recolher as fezes do animal, é fundamental que os animais estejam com a vacinação e vermífugos em dia. Além de evitar doenças, esses procedimentos básicos adotados são fundamentais para garantir uma vida mais saudável para os animais de estimação”, finaliza o médico veterinário.

Leonardo Paixão – veterinário

“A quantidade diária que os cães necessitam sair para evacuar ou urinar é de, no mínimo, três vezes ao dia, para evitar o estresse do animal. Quanto o pet é mantido preso por muito tempo, acaba causando um stress excessivo, e como consequência, a queda da imunidade, e suscetível a patologias, que podem estar nas fezes não recolhidas”.

Por Rafael Mouad   |   Fotos Alex Monteiro
Sugestões portalaquitem@gmail.com

Anterior RÁDIO FEDERAL EM ÁGUAS CLARAS
Próximo DENGO PERMANECE NO ZOO