SOS DF Saúde atua no combate à dengue em Brasília


Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Já foram inspecionados 234.589 imóveis e 10.124 receberam tratamento específico no combater a doença

O SOS DF Saúde tem trabalhado intensamente para combater o mosquito que transmite a dengue – o Aedes aegypti. Já foram inspecionados 234.589 imóveis e 10.124 receberam tratamento específico no combater a doença. São mais de 500 profissionais envolvidos na ação entre servidores da Secretaria de Saúde e também do Ministério da Saúde.

Quando necessário, há ainda, reforço do Corpo de Bombeiros. O trabalho das equipes inclui a limpeza de áreas ambientais, residenciais e, também, em áreas verdes que estão em centros urbanos. O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) também ajuda na ação.

As equipes já estiveram em Ceilândia, São Sebastião, Gama, Recanto das Emas, Taguatinga, Águas Claras, Samambaia, Vicente Pires, Planaltina, Riacho Fundo I, Estrutural, Fercal, Varjão, Guará I e II, Pôr do Sol, Núcleo Bandeirante, Candangolândia, Itapuã, Paranoá, Sobradinho I e II, Sol Nascente, Santa Maria, Park Way, Cruzeiro, Sudoeste e Taguatinga.

Lote Limpo

Para auxiliar no combate ao Aedes aegypti, a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) lançou nesta quarta-feira, 3 de abril, o “Mutirão Lote Limpo”. A proposta é limpar 2.800 lotes de propriedade da Terracap que estão desocupados e que podem virar criadouro do mosquito.

Segundo o diretor de Regularização Social e Desenvolvimento Econômico da Terracap, Leonardo Mundim, o Distrito Federal está em estado de alerta. “Assim como a população precisa cuidar do quintal de suas casas para que não haja a proliferação do Aedes Aegypti, a Terracap também está cumprindo a obrigação de cuidar dos seus terrenos”, diz.

Números

Segundo dados da Secretaria de Saúde do DF, a região administrativa de São Sebastião registrou, neste ano, a maior incidência de casos de dengue com 721 ocorrências, seguido de Planaltina com 665 casos, e Ceilândia, com 389.

Confira o relatório com as ações diárias do SOS DF

Anterior Casa ou apartamento? Conheça os prós e contras
Próximo CLDF debate emprego para autistas e pessoas com Down