TENDÊNCIAS DA EDUCAÇÃO


Ronaldo Mota, reitor da Universidade Estácio, fala sobre as novas tendências da Educação. Valorização da individualidade no Ensino Superior é fundamental na era digital

Na última segunda-feira (3), o reitor da Universidade Estácio fez uma palestra para os alunos de Pedagogia e Matemática para o corpo docente e para os profissionais de áreas correlatas sobre as novas tendências da Educação e do Ensino Superior.

O auditório central do Centro Universitário Estácio de Brasília, na unidade de Taguatinga, estava repleto de participantes. Durante pouco mais de uma hora, Ronaldo Mota falou sobre pontos importantes para a aprendizagem e para melhor aproveitamento do aluno durante sua formação superior.

Ronaldo Mota é também pós-doutor em Física pela University of Utah e pela University of British Columbia, estuda as novas tecnologias na educação contemporânea e, também, as metodologias educacionais inovadoras.

Entrevista com Ronaldo Mota

Qual a principal habilidade de um docente nos dias atuais?

O ato de educar começa com o domínio de conteúdo pelo professor, mas a transmissão do saber não é algo abstrato, mas sim concreto. Parte-se do fato de que o professor transmite para quem, ou seja, um indivíduo. O bom professor deve ter a capacidade empática de entender seus educandos. É um exercício muito delicado, mas possível. É preciso, dentro do processo educacional, de forma global, entender o outro, colocando-se no lugar do outro. Isto é imprescindível no atual processo de educação.

Ronaldo Mota
Ronaldo Mota

Qual a sua opinião sobre a atual proposta de reestruturação para o Ensino Médio e como essa mudança impactaria os novos alunos do Ensino Superior?

Primeiramente, o Brasil tem um grave problema educacional: a nossa educação não vai bem, isto em todos os níveis educacionais. Mas, no Ensino Médio, essa situação é aguda. O atual modelo agrega muito pouco aos alunos, visto que, muitas vezes, [o Ensino Médio] é cursado apenas como uma fase do processo educacional. Portanto, alimentar essa discussão é urgente, pois demanda modificações profundas. Hoje [o Ensino Médio] é demasiadamente engessado pela estrutura das disciplinas ofertadas. Portanto, é necessário ter matérias universalizadas e, mas ainda, um conjunto de outras que possam ser customizadas a cada objetivo e circunstância. É necessária uma discussão positiva e propositiva. O país, no momento, tem o titulo nada honroso de ter o pior Ensino Médio do planeta, pois não valida a boa preparação para o Ensino Superior e também não consegue preparar para a vida profissional.

O perfil do aluno do Ensino Superior é múltiplo, as novas tecnologias são aliadas no processo de educação. Como identifica o aluno contemporâneo?

Amplo. O ensino superior, hoje, abrange áreas bastante acadêmicas (mestrado e doutorado), também os cursos de tecnólogos, de curta e média duração, voltados para atividades profissionais que atendam à demanda do mercado. O papel da instituição é estar preparado para atender a essa demanda. Sobretudo, é preciso estabelecer as diferenças que transmitam conteúdos e desenvolvam habilidades que atendam a esses perfis. É preciso respeitar as individualidades da aprendizagem de cada aluno. Precisamos desenvolver metodologias tecnológicas criativas, por meio das quais todos possam estudar em todo o lugar, o tempo todo. Somos um povo múltiplo, pertencente a um caldo cultural muito rico.

Este ano o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) completou 18 anos. Quais os pontos positivos e os negativos desta ferramenta de avaliação?

É um processo misto: ele busca, primeiramente, mapear o que acontece no Ensino Médio de forma global; segundo, é uma ferramenta para que as instituições de Ensino Superior possam selecionar seus alunos, parcial ou integralmente. O que me preocupa no Enem é o viés de conferir a capacidade de memória do aluno. O mais importante é catalogar e perceber a capacidade de raciocínio a partir do desafio das questões propostas. Deveria medir ambas as capacidades, sendo, assim, mais contemporâneo.

Serviço

Ronaldo Mota, reitor da Universidade Estácio, fala sobre as novas tendências da Educação
Centro Universitário Estácio Brasília:
Taguatinga Sul GSC 09, lotes 15\16 – Telefone: (061) 3038-9700
Unidade Asa Sul – Quadra 604 Sul conjunto C lotes 25\26 – Avenida L2
Telefone: (061) 3878-4100

Da Redação | Foto Divulgação
Sugestões portalaquitem@gmail.com * Pautas aquitemredacao@gmail.com

Anterior Fusce bibendum neque a neque gravida
Próximo MOSTRA VERCIÊNCIA EM BRASÍLIA