A ARTE DA CANTORIA


Entre 2 de dezembro e 7 de janeiro (de 2018), o mestre repentista Chico de Assis será o anfitrião de encontros populares nas feiras permanentes de Ceilândia e de Samambaia para, em dupla com outros repentistas, também mestres nesta rica arte de cantoria, apresentar as várias modalidades do Repente

Num total de nove apresentações, o repentista Chico de Assis, acompanhado em cada apresentação por um repentista convidado, Donzílio Luiz, João Santana e Valdenor de Almeida, vai levar a arte do Repente em espetáculos de uma hora de duração. Nas apresentações, as duplas irão versar sobre temas indicados pela plateia e outros, como saúde, meio ambiente e o mercado de trabalho, além de declamar poemas matutos abrangendo o jeito de ser do sertanejo e a vida do brasileiro.

Dentre as modalidades apresentadas estão: sextilhas; galope à beira-mar; coqueiro da Bahia; voa sabiá; Brasil de mãe preta; martelo alagoano; o que é que me falta fazer mais; curió; segura o remo… e outras. Para Chico, “levar a arte do Repente às feiras tem papel fundamental para a democratização cultural, visto serem uns dos poucos locais de difusão cultural e formação de público acessíveis às famílias que não têm condições financeiras e perfil social para acompanhar os circuitos culturais da cidade com ingressos a valores altos”.

O “Repente na Feira”, que tem fomento do FAC – Fundo de Apoio à Cultura, da Secretaria de Cultura do DF, tem por objetivo manter vivo o Repente como expressão poética e musical, componente do universo cultural do DF, e de contemplar o público mais carente da Cantoria de Repente Nordestina com apresentações gratuitas. Todas as apresentações serão registradas em vídeo para a produção de um projeto documental.

Desvendando o Repente

Improvisando, tendo maior ou menor postura combativa, a arte da Cantoria de Repente é a continuidade e o aprimoramento das cantigas d’amor, da ruralidade das cantigas d’amigo e das sátiras das cantigas de escárnio e maldizer. Uma tradição poética nordestina que absorve todas essas características e acrescenta uma série de temas ao contexto, como política, religião, desigualdade social, família, esportes e tantos outros assuntos passam a ser tratados, com esmero e profundidade pelos repentistas, tanto em linguagem popular brejeira quanto rebuscada.

As modalidades mais conhecidas são coqueiro da Bahia, voa sabiá, Brasil de mãe preta, martelo alagoano, curió e segura o remo. Diferentes gêneros para as composições improvisadas de Cantoria de Repente, que se resumem em métricas a serem seguidas para a construção de poesias e que são propostas às duplas que se desafiam.

Os gêneros determinam em quais versos da estrofe as rimas devem coincidir. Destes, o mais comum e, possivelmente, o preferido dos repentistas é a Sextilha, composta de estrofes de seis linhas, ou versos. Caso em que as rimas se dão nas linhas pares. O esquema de rimas começa a ficar mais desafiador a partir da Septilha, ou Setilha, uma adaptação da sextilha, porém, com sete versos. Aqui, as linhas pares rimam até a quarta, daí, a quinta deve rimar com a sexta e a sétima com a segunda e a quarta.

Outro, muito apreciado por repentistas, difundido desde o início da poesia popular, é a Décima, talvez por ser o gênero escolhido para os motes. Para este, cantadores devem compor estrofes de 10 linhas, fechando cada um com os versos da sentença dada – o mote – seguindo sua rima e métrica. O esquema de rimas deve ser construído da seguinte forma: o primeiro rima com o quarto e o quinto; o segundo, com o terceiro; o sexto, com o sétimo e o décimo; e o oitavo, com o nono. O Mote é uma sentença de um ou dois versos que dá o conteúdo sobre o qual o repentista deve versar.

Serviço

Apresentações em Ceilândia
Dia 02/12, sábado, às 8h AM, na Feira do Guarapari
Dia 03/12, domingo, às 10h AM, na Feira Permanente do Setor O
Dia 10/12, domingo, às 9h AM, na Feira Permanente da Guariroba
Dia 16/12, sábado, às 8h AM, na Feira do Guarapari
Dia 23/12, sábado, às 8h AM, na Feira do Guarapari
Dia 31/12, domingo, às 9h AM, na Feira Permanente da Guariroba

Apresentações em Samambaia
Dia 17/12, domingo, às 9h AM, na Feira Permanente da Quadra 210
Dia 24/12, domingo, às 8h AM, na Feira Modelo da Quadra 510
Dia 07/01/18, domingo, às 9h AM, na Feira Permanente da Quadra 202

Entrada França
Classificação indicativa: Livre para todas as idades
Duração: 60 minutos
Realização: Chico de Assis
Esse projeto é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do DF

Músicos 

CHICO DE ASSIS, Músico/intérprete (Repentista)

Natural de Alexandria, Rio Grande do Norte, Chico é repentista desde 1982, foi apresentador de oito programas de rádio dedicados à arte do repente, Nordeste e em Brasília, participou de mais de 300 Festivais de Repente, Brasil afora, e presidiu duas associações de repentistas. Participou de vários CDs de coletâneas ao lado de cantadores, como, João Furiba, Zé Luiz de Mossoró, Donzílio Luiz, Rogério Meneses, Nonato Costa, Ismael Pereira, Pedro Bandeira e João Paraibano, e tem textos publicados em 5 livros, 26 de seus cordéis já foram editados e já figurou em sete filmes nacionais.

Ministra oficinas de poesia popular em escolas, universidades e presídios pelo Brasil e, inclusive, com passagens por Timor Leste e Cuba, além de turnês pela França, Timor Leste e Cuba. Quando Diretor da Casa do Cantador, em Ceilândia, coordenou vários eventos e festivais regionais e nacionais de Repente. É também idealizador dos Encontros Nordestinos de Cordel e dos Encontros dos Campeões do Repente em Brasília. Ao lado do também repentista João Santana, forma uma dupla há 16 anos. Juntos, já rodaram o Brasil algumas vezes e foram representantes do repente nacional em Cuba. Assinam dois CDs lançados, que são referência para toda nova geração de cantadores.

DONZÍLIO LUIZ DE OLIVEIRA, Músico/intérprete (Repentista)

De São José do Egito, Pernambuco, Donzílio é poeta, repentista e escritor há mais de 50 anos. Assina a publicação de mais de 10 livros e diversos folhetos de cordel, já lançou três CDs e participou de inúmeras coletâneas culturais. Reconhecido como Mestre Griô pelo Ministério da Cultura, o experimentado cantador contava mais de setenta anos de idade quando venceu, ao lado de Valdenor de Almeida, um dos festivais regionais de repentistas do DF.

Tem verbete no Dicionário Biobibliográfico de Escritores Brasileiros Contemporâneos, é membro da ATL (Academia Taguatinguense de Letras), membro-fundador da Academia Ceilandense de Letras e Artes Populares (ACLAP), da qual foi presidente, membro da Academia de Trovadores de Brasília, e atual Presidente da Associação dos Cantadores Repentistas e Escritores Populares do DF e Entorno, além de filiado ao Sindicato dos escritores do Distrito Federal. Realiza palestras e oficinas em eventos literários, colégios e faculdades pelo DF. Participou em alguns filmes, com destaque para Hollembach, Um Herói no Coração do Brasil e Ferreira Goulart (Filmes amadores).

JOÃO SANTANA, Músico/intérprete (Repentista)

Repentista, cordelista, músico, compositor e produtor cultural, João já publicou mais de 10 folhetos de cordel entre ficcionais, históricos, educativos e promocionais, e 13 sonetos, pelo projeto Esperança Corações Partidos. Como arte-comunicador, ministrou dezenas de oficinas de poesia para estudantes, educadores e usuários do sistema de saúde infantil e saúde mental do DF.

Arrematou sete vitórias consecutivas em competições de Repente no DF. Se apresentou no 20º Festival de Romerías de Mayo, de Holguín, em Cuba (2013); Conquistou o prêmio na modalidade Desafio pelo 2º Festival Nacional de Viola/Voa Viola, Cuiabá (2012); Foi debatedor de Repente e Rap na Academia Mineira de Letras (2016); Alcançou o 3º lugar no Festival de Música da UnB em 2003 (melhor banda no júri popular); Teve música selecionada no Festival Rádio Nacional FM Brasília 2016; Participou como diretor musical, ator, adaptador de texto, compositor e cantador de peças teatrais e musicais, como em “Farsa da Boa Preguiça”; Produziu e dirigiu álbuns musicais, jingles e vídeos; Participou de seis filmes; Produziu de álbuns, peças musicais e eventos, a exemplo de CD Sol dos Amantes (2016), DVD Grandes Momentos de Festivais (2016); CD Sertão dos Seringais (2012 e 2013); Musical Poesia do Sertão (2016); Musical e álbum digital Cordel Operístico Lua Alegria (2013).

VALDENOR DE ALMEIDA, Músico/intérprete (Repentista)

Paraibano de Pombal, Valdenor de Almeida iniciou a carreira de repentista em 1984 em seu Estado natal, onde participou de cantorias e festivais e apresentou programas em emissoras de rádio durante quatro anos, mudando-se para Brasília em 1990. Em 2013 foi Coordenador Pedagógico do Projeto “Cordel com a Corda Toda” em Santa Maria/DF. Participou das três edições do “Culturas Integradas” (2008, 2009 e 2010), do “Xilogravura e Literatura de Cordel” (2010), do “De Repente na Feira” (2010), e do “Repente na Escola – 2ª Edição” (2012).

Foi coordenador de projetos da Casa do Cantador de 1995 a 1998, dentre eles, O Projeto Cantoria Escola, apresentado nas escolas públicas do DF, que teve edição e distribuição de mais de 20.000 folhetos de cordel. Como repentista, participou de mais de 40 festivais, como concorrente, e de outros como membro de comissão julgadora. Cantou durante homenagem a Fernanda Montenegro no salão Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados. Em dupla com João Santana, obteve por quatro vezes o primeiro lugar em Festivais Regionais de Repentistas do DF.

Em dupla com o repentista Chico de Assis, participou do 9º Encontro de Literaturas, promovido pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte/MG, em novembro de 2008. Participou dos filmes: “O Encontro de Cego Aderaldo com Robert Jhonson”, do cineasta Jesivan, e “O Vaquiero Voador”, de Manfredo Caldas. Em 2016, tem a produção do seu DVD, Grandes Momentos de Festivais, com melhores momentos de suas participações com o repentista João Santana em festivais regionais e nacionais no DF.

Anterior CONCERTOS NATALINAS NO CINE BRASÍLIA
Próximo ÚLTIMA EDIÇÃO DO PICNICK