CARNE DE PORCO FAZ MAL?


Servir um prato com pedaços suculentos de lombo ou talvez uma bisteca é algo irrecusável para os amantes da carne suína. Seja pelo seu sabor ou pela sua textura, o fato é que milhares de brasileiros não dispensam esse item em seu cardápio semanal e, inclusive, colocam a carne de porco no topo da lista de preferências alimentares.

Não há nenhum problema em consumi-la com moderação, desde que as peças do abate não tenham procedência duvidosa. O problema surge quando a carne que chega até sua mesa não foi inspecionada pelos fiscais do Ministério da Agricultura e Pecuária, que asseguram a qualidade dos alimentos nas indústrias de produção de suínos

– Carne de porco pode conter parasitas

Em algumas fazendas de criação “caseira” de suínos ? ou seja, aquelas que não possuem o aval do Ministério da Agricultura e Pecuária para produzir carnes para consumo ? os porcos são alimentados com comida inadequada e, inclusive, crescem nos famosos chiqueiros. É comum que a alimentação desses animais seja uma mistura de restos de comida fervida, também chamada de lavagem.

De acordo com especialistas em medicina veterinária, os porcos tratados dessa forma acabam contraindo verminoses e outras doenças. Ao consumir a carne malpassada desses suínos, as larvas de vermes invadem o organismo humano provocando doenças como a Teníase ? conhecida popularmente como solitária ? e a Triquinelose.

– Devo parar de comer carne de porco?

Se você já está pensando em excluir o lombo, a bisteca e outras carnes suínas do seu cardápio, não se preocupe, pois é possível ficar livre desses perigos tomando algumas medidas.

A primeira é adquirir apenas carnes de indústrias certificadas pelo Ministério da Agricultura e Pecuária, já que nestas são utilizados métodos de alimentação e criação que impedem infecções por verminoses. Sendo assim, ao fazer suas compras no açougue, verifique qual é a verdadeira origem da carne suína e exija o certificado do S.I.F. ? Serviço de Inspeção Federal que fiscaliza os produtos de origem animal
A segunda é cozinhar ou passar a carne até o ponto em que ela não fique com partes cruas ou semicruas. Dessa forma, mesmo que a carne tenha origem em fazendas sem fiscalização, será possível eliminar as larvas de vermes e evitar doenças

– Quero ser um inspetor de suínos!

O mercado de inspeção e fiscalização de suínos está em plena expansão devido à importância da atividade agropecuária para o Brasil. A DiDatus oferece diversos cursos de pós-graduação, capacitação e preparatórios para quem deseja seguir carreira em agronegócio. Navegue pelo site
www.didatus.com.br e conheça!

Da Redação  | Foto John Download
Sugestões portalaquitem@gmail.com

Anterior CHILLI BEANS LANÇA COLEÇÃO
Próximo COACHING GRATUITO NA FNAC