CURSO DE MOTOCICLISTA PARA PM


Policiais fazem curso de treinamento em motocicletas, Atividade envolve prática de pilotagem em terrenos diversos e noções de segurança e de direitos humanos

Durante nove semanas, 36 praças e oficiais de diversos batalhões do Distrito Federal participam do primeiro Curso de Motociclista Policial Militar de 2016. As aulas práticas e teóricas ocorrem desde 29 de fevereiro, no Centro de Treinamento Especializado, em Taguatinga Norte. Algumas atividades usam a estrutura do Kartódromo Aryton Senna, no Guará, e da Floresta Nacional de Brasília, às margens da BR-070, além de percursos urbanos e rurais. O curso tem carga horária de 365 horas, com nove de aula diariamente. A instrução foi baseada na nova formatação do Instituto Superior de Ciências Policiais da PMDF.

No programa são ministradas técnicas de pilotagem em ambientes e terrenos diversos, condução em pisos molhados, desenvolvimento de habilidades motociclísticas, direção com segurança e mecânica básica. Também são abordadas o tema direitos humanos e uso progressivo da força, incluindo técnicas de negociação, habilitação e treinamento com armas de menor potencial ofensivo, além de tiro prático, armamento e munição.

“Ao fim da capacitação, o policial tem condições de atuar imediatamente e guiar qualquer uma das motocicletas usadas pela Polícia Militar”, destaca o subcoordenador do curso, sargento Sérgio Gleydson da Costa.

Escolta e perseguição

As aulas práticas são em motos de 250 e 700 cilindradas, com velocidades que chegam, em média, a 140 e 180 quilômetros por hora, respectivamente. Os formandos têm condições de atuar nas de 400, de 600, de 660 e até de 1.200 cilindradas. Entre os serviços previstos para esses policiais, o subcoordenador destacou o motopatrulhamento ostensivo e preventivo em ambientes urbano e rural, a escolta para pessoas e para materiais, além da perseguição a suspeitos.

Diariamente, alunos e instrutores vistoriam cada uma das viaturas e nenhum deles treina sem equipamentos de proteção: capacete, joelheira, cotoveleira, bota ou coturno, luvas e uniformes reforçados e compridos.

Disciplina

Um dos participantes é o soldado Thiago Godoy, de 34 anos. Ligado ao motociclismo desde os 15, quando ajudava os familiares em uma oficina mecânica, o militar destaca que é completamente diferente guiar uma moto fora da atividade policial e dentro dela. “Aqui a obediência à disciplina é maior. Além disso somos testados no limite para usarmos o equipamento com maior eficiência e com total segurança”.

Thiago se diz um aficionado por motocicletas. Dono de nove ciclomotores de diferentes cilindradas e para os mais variados terrenos e situações, ele ressalta que as técnicas aprendidas no curso são específicas para a atuação policial. “Nos fins de semana, quando vou fazer minhas trilhas, é outro procedimento. Aprendemos a não misturar comportamento civil com militar”.

Seleção

Categoria A para guiar ciclomotores era o pré-requisito inicial. O número de inscrições, porém, foi superior ao das 36 vagas, ultrapassando os 50 candidatos. Houve necessidade de uma seleção por perfis, habilidades e necessidade dos batalhões, entre outros critérios. A coordenação prevê outras duas edições até o fim de 2016, ainda sem data confirmada. A última ocorreu há dois anos.

De acordo com o sargento Gleydson, as quedas durantes as instruções são naturais. Na atividade de quarta-feira (16), dois policiais perderam o controle da motocicleta e caíram, mas não se feriram com gravidade. Uma ambulância do centro médico da corporação fica de prontidão com enfermeiros e técnicos para agir em caso de acidentes de maior gravidade.

Da Redação | Foto Dênio Simões/Agência Brasília
Sugestões portalaquitem@gmail.com

Anterior QUANDO O SONHADÁRIO GERMINA
Próximo REVISTA DIGITAL AQUI TEM