Em curta temporada na Caixa Cultural Brasília, de 16 a 25 de março. Além da peça, o grupo mineiro ministra a oficina Ficcionalizar o Real

Um linchamento, um atropelamento, uma chacina policial e um movimento grevista. O espetáculo REAL, do grupo Espanca! (MG), reúne 4 peças curtas distintas, inspiradas em acontecimentos reais que marcaram a sociedade brasileira recentemente. Apresentadas em sequência na mesma noite, essas obras compõem uma espécie de “revista política” sobre o país. A direção geral é assinada por Gustavo Bones e Marcelo Castro, que coordenaram a equipe de criação composta por diversos parceiros do grupo que assumem diferentes funções em cada uma das peças, que foram criadas simultaneamente. “Nós criamos 4 peças de teatro ao mesmo tempo, sendo que cada uma delas é um sistema distinto, um universo muito diferente do outro”, diz Bones.

“Inquérito” é um trabalho sobre o texto de Diogo Liberano que propõe um jogo violento entre os atores numa poética muito próxima da que o Espanca! já desenvolvia. Roberto Alvim escreveu “O Todo E As Partes”, cuja encenação utiliza princípios do teatro de bonecos. “Parada Serpentina” dilui as fronteiras entre o teatro e a dança, partindo de estudos sobre o movimento, princípios da dança contemporânea e sistemas corporais urbanos. “Já Maré” parte de um trabalho sonoro com o texto de Márcio Abreu, priorizando a musicalidade da fala dos personagens. Bones explica que “foi isso que nos aproximou do conceito de ‘teatro de revista’, essa variedade de linguagens, junto da ideia de criar esquetes teatrais a partir de fatos políticos recentes, apresentadas na mesma noite”.

Marcelo Castro afirma que “o projeto parte do que é público ou ‘comum’, entendendo a realidade como experiência coletiva e social. O resultado é uma experiência teatral (poética, simbólica e ficcional) baseada em visões artísticas que desvelam o ‘real’, problematizando o país e suas contradições. A ideia é transformar o real através da linguagem do teatro e compartilhar isso com o público. O teatro tem essa característica: quando um determinado grupo de pessoas partilha um mesmo tempo/espaço sensível, é possível ‘realizar a realidade’. Realizar no sentido de absorver plenamente, assimilar, sentir. Não estamos representando o real e sim criando a partir dele uma nova realidade em cena”, conclui.

REAL estreou em São Paulo em 2015 e foi apontado como um dos dez melhores espetáculos do ano pelo Estadão. O espetáculo circulou por sete cidades do estado de Santa Catarina e cumpriu temporadas em Belo Horizonte e Curitiba, além de compor a programação do Festival Internacional de Teatro de BH e do Cena Brasil Internacional, no Rio de Janeiro. Também foi indicado ao 3º Prêmio Copasa/Sinparc de Artes Cênicas de MG nas categorias melhor espetáculo, melhor texto inédito e melhor atriz (Gláucia Vandeveld). O público brasiliense conheceu os primeiros trabalhos da companhia mineira no Festival Cena Contemporânea. Depois disso, o grupo fez temporada na Caixa Cultural Brasília durante as “jornadas de junho de 2013” e agora retorna à Brasília com sua sétima criação através do patrocínio da CAIXA e do Governo Federal.

REAL será encenado na Caixa Cultural Brasília de 16 a 25 de março, sextas e sábados às 20h e domingos às 19h. Os ingressos custam 20 reais (inteira) e 10 reais (meia). Todas as apresentações terão interpretação em libras para a comunidade surda. Além do espetáculo, o grupo também ministrará uma oficina gratuita para artistas e estudantes interessados na pesquisa desenvolvida durante o processo de criação de REAL.

OFICINA

Durante a temporada em Brasília, integrantes do Espanca vão compartilhar seus procedimentos criativos com artistas de teatro, performers, dramaturgos e estudantes de artes cênicas na oficina FICCIONALIZAR O REAL. Princípios de atuação, cênicos e dramatúrgicos utilizados nas criações dos espetáculos do grupo servirão como base para a criação de “dramaturgias cênicas” desenvolvidas a partir de fatos políticos e sociais que afetaram o país ultimamente. “Como no processo de criação do espetáculo, a oficina parte de fatos reais marcantes para criar cenas teatrais que usem princípios de atuação e dramaturgia do grupo. Toda comunidade, toda cidade, todo país vive experiências coletivas marcantes. Traumas sociais, lutas coletivas, episódios simbolicamente fortes que permeiam nosso imaginário revelam muitas contradições ao ganharem dimensões teatrais”, afirma o ator Alexandre de Sena, que ministra a oficina junto ao diretor Gustavo Bones. As inscrições podem ser feitas pela internet até o dia 12 de março, no site espanca.com. A oficina acontece na Caixa Cultural Brasília de 16 a 18 de março, de 9h às 13h.

Sinopse

REAL, a sétima criação do Grupo Espanca! (MG) é composta por 4 peças de curta duração, apresentadas em sequência na mesma noite, criadas a partir de fatos recentes que marcaram a sociedade brasileira. O programa é composto por:

– INQUÉRITO: pai e filhas brincam de um jogo de perguntas e respostas enquanto tentam conviver com a morte violenta da mãe que assombra a todos constantemente.
– O TODO E AS PARTES: um jovem é atropelado e tem seu braço amputado. A velha lei diz que o homem culpado deve ceder um de seus membros à vítima como reparação. O braço arrancado torna-se o personagem central da trama.
– PARADA SERPENTINA: quando um grupo se movimenta, corpos-lixo se amontoam e paralisam cidades maravilhosas. Toda multidão é um bololô desgovernado.
– MARÉ: um fluxo sonoro: uma família narra, sob diferentes pontos de vista, a vida na favela onde mora.

Serviço

REAL, do grupo ESPANCA (MG) na Caixa Cultural Brasília
De 16 a 25 de março, sextas e sábados às 20h, domingos às 19h
​Caixa Cultural Brasília | Teatro da Caixa – SBS Q4, lote 3/4, ed. Anexo da Matriz. Brasília/DF
R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)
Horário da Bilheteria:​ terças a sextas e domingos de 13h às 21h; sábados de 9h às 21h.
Todas as apresentações com interpretação em libras para a comunidade surda;
Lotação: 406 lugares
Classificação: 16 anos
Duração: 100 min
oficina FICCIONALIZAR O REAL, com o grupo ESPANCA (MG)
De 16 a 18 de março, de 09 às 13 horas
Local: Caixa Cultural Brasília

Inscrições gratuitas: até 12 de março no site espanca.com
Vagas: 15
Público alvo: atores, performers e estudantes de teatro

Ficha técnica

Direção Geral: Gustavo Bones e Marcelo Castro
Equipe de criação: Alexandre de Sena, Aline Vila Real, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Eduardo Félix, Gláucia Vandeveld, Gustavo Bones, Karina Collaço, Leandro Belilo, Marcelo Castro e Michele Sá
Dramaturgos: Diogo Liberano, Márcio Abreu e Roberto Alvim
Coordenação de produção: Aline Vila Real e Aristeo Serra Negra
Produção local: Tomada Conexões Artísticas
Cenografia: Adriano Mattos, Ivie Zappellini e Grupo Arquitetura Tradução (Ana Cecília Souza, André Victor, Jéssica de Castro, Maria Soalheiro, Rita Davis)
Iluminação: Edimar Pinto
Figurino: Gustavo Bones e Helaine Freitas
Projeto Gráfico: Estúdio 45Jujubas
Fotos: Guto Muniz
Realização: Espanca!

GRUPO ESPANCA

Nos últimos 13 anos, o Espanca! criou trabalhos teatrais que revelam uma linguagem cênica chamada de “poéticas da violência”, onde o grupo investiga códigos do fenômeno teatral na encenação de dramaturgias contemporâneas. As primeiras montagens tem textos inéditos escritos por Grace Passô, que também assina a direção de Por Elise (2005) e Congresso Internacional do Medo (2008). Amores Surdos (2006) tem direção de Rita Clemente e Marcha Para Zenturo (2010) foi criada em parceria com o Grupo XIX de Teatro, de São Paulo. O Líquido Tátil (2012) foi escrito e dirigido pelo argentino Daniel Veronese, um dos maiores nomes do teatro mundial. Dente de Leão (2014) tem texto de Assis Benevenuto e direção de Marcelo Castro. Real (2015) é um programa composto por quatro peças de curta duração, com textos de Diogo Liberano, Márcio Abreu e Roberto Alvim. Passaarão (2017) é o primeiro espetáculo na rua da companhia, dirigido por Aline Vila Real com dramaturgia de Allan da Rosa.

Todos os espetáculos seguem no repertório da companhia e são realizados por mais de 20 artistas parceiros. Estes trabalhos circularam pelos principais festivais de teatro do país, receberam diversos prêmios e nomeações (Shell, APCA, Qualidade Brasil, entre outros) e fizeram mais de 700 apresentações em 63 cidades de todas as regiões do país, além de Alemanha, Chile, Colômbia e Uruguai. O grupo ainda desdobra seu trabalho artístico na concepção de um espaço cultural no hipercentro de Belo Horizonte que é aberto a propostas artísticas de diversas linguagens. Há quase 7 anos o Teatro Espanca abriga reuniões, ensaios, oficinas, debates, apresentações de teatro, performances, shows, projetos experimentais, saraus, feiras, exposições, atividades criativas e coletivas feitas por artistas e grupos culturais da cidade e do país. Estima-se que os projetos do grupo Espanca! já alcançaram mais de 130.000 pessoas.

Anterior EDIÇÃO MISTURA SELVAGEM NO ESPAÇO CLUBE COAT
Próximo CONFIRA AS NOVE ESTREIAS DOS CINEMAS NO DF