MOSTRA DE CURTAS NO CCBB


Em setembro, diversos setores da sociedade colocam em foco a discussão de diversos temas sobre inclusão

Alinhado a esse pensamento, para a sessão deste mês da Mostra Brasília em Plano Aberto, que acontece no dia 6, os curadores Wol Nunnes e Maurício Witczak selecionaram quatro curtas-metragens brasilienses que abordam essa temática de forma bastante diversificada.

As relações entre patrões e empregados domésticos, a valorização da vida na terceira idade, os sonhos e desafios das pessoas com síndrome de down e a luta para se quebrar preconceitos contra qualquer tipo de deficiência. Estas questões são abordadas nos curtas “Dona Custodia”, de Adriana de Andrade, “Rosinha”, de Gui Campos, “Mohamed”, de Dayana Dolloul e “O filho do vizinho”, de Alex Vidigal, que compõem a programação deste terceiro encontro da mostra.

Após a sessão, tem bate papo com os cineastas convidados. Em seguida, DJ Criolina toca famosas trilhas do cinema e foodbikes, fecham com chave de ouro, mais essa noite de celebração para o cinema brasiliense.

Brasília em Plano Aberto tem como proposta apresentar uma cartografia da produção cinematográfica realizada na Capital Federal nos últimos 40 anos ao reunir, em um só evento, registros e olhares de uma sociedade captados através das lentes dos cineastas experientes, com suas carreiras já consolidadas, assim como de jovens que despontam no cenário do audiovisual local e também nacional.

Serviço

Mostra de Curtas “Brasília em Plano Aberto”
Tema: Inclusão
Endereço: SCES Trecho 2 – Brasília/DF
Dia e horário: 6 de setembro, a partir das 19h30
Entrada franca. Retirada de ingressos a partir de 1 hora antes do início da sessão, somente na bilheteria do CCBB.
Classificação indicativa: 16 anos

Sinopses

“Dona Custodia”, de Adriana de Andrade. Ano de produção: 2015. Tempo de duração: 15 minutos. Classificação indicativa: 14 anos. Sinopse: Baseado no conto homônimo do escritor Fernando Sabino, o curta-metragem narra a estória de um escritor solitário que tem sua rotina alterada pela presença de sua nova empregada: Dona Custódia.

“Rosinha”, de Gui Campos. Ano de produção: 2016. Tempo de duração: 14 minutos. Classificação indicativa : 14 anos Sinopse: O alvorecer da existência, uma rosa desabrocha ao receber as carícias dos últimos raios do sol. Um filme sobre amor e sexualidade na terceira idade e o desafio das convenções sociais.

“Mohamed”, de Dayana Dolloul. Ano de produção: 2015 Tempo de duração: 15 minutos. Classificação indicativa: livre. Sinopse: Conta história de irmão mais novo de Dayana, Mohamed, que tem síndrome de Down e luta diariamente para realizar seus maiores sonhos.

“O filho do vizinho”, de Alex Vidigal. Ano de produção: 2010. Tempo de duração: 6 minutos. Classificação indicativa: livre. Sinopse: Pela janela do seu quarto, Ronaldinho olha maravilhado as aventuras e peripécias de um garoto que é chamado de várias formas pela vizinhança.

Anterior DICIONÁRIO DE ALEXANDRE RIBONDI
Próximo SENSAÇÃO DE SEGURANÇA NO DF