Palmeiras vence o Furacão por 2 a 0 com gols no 2º tempo


O Palmeiras recebeu o Atlético-PR nesta quarta-feira (05), no Allianz Parque, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2018. Com gols de Willian e Moisés, no segundo tempo, o Alviverde saiu vitorioso pelo placar de 2 a 0 e somou mais três pontos no torneio nacional. O resultado fez com que o Verdão colocasse fim a uma sequência invicta do Atlético-PR no Brasileirão, que já durava sete duelos.

O Maior Campeão do Brasil ocupa atualmente a 3ª colocação da tabela, com 43 pontos, ficando a apenas três pontos do líder, Internacional, e do vice, São Paulo (ambos com 46).

Com o placar favorável, o time de Luiz Felipe Scolari chegou a oito partidas sem saber o que é perder no Brasileirão, com seis vitórias e dois empates: bateu o Paraná Clube por 3 a 0, empatou com o América-MG sem gols, superou o Vasco da Gama por 1 a 0, venceu do Vitória-BA por 3 a 0, do Botafogo por 2 a 0, empatou com o Internacional por 0 a 0, superou a Chapecoense por 2 a 1 e, agora, o Atlético-PR por 2 a 0.

De quebra, o Alviverde ampliou ainda mais seu retrospecto favorável sobre o time de Curitiba. Em toda história, as duas equipes se enfrentaram 55 vezes – já considerando o duelo de hoje –, sendo 27 vitórias palestrinas, 17 empates e 11 derrotas (com 81 gols marcados contra 59 sofridos).

A vantagem é ainda maior computando apenas os embates realizados em São Paulo: dos 24 jogos disputados na capital, o Verdão acumula 15 vitórias e seis empates, tendo sido superado pelo Furacão em apenas três ocasiões. Em território paulistano, o Maior Campeão do Brasil balançou as redes adversárias em 38 ocasiões e foi vazado em 18 ocasiões.

Apenas pelo Campeonato Brasileiro, como foi no caso desta quarta-feira (05), as equipes se encontraram 41 vezes (18V, 13E e 10D). O primeiro capítulo da história do confronto em jogos válidos pela competição nacional aconteceu em 1968, quando o Alviverde venceu por 3 a 1, no Paraná, com gols Artime, duas vezes, e César Maluco.

Além disso, o Verdão também possui histórico favorável diante das equipes do Sul do país (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Neste quesito, o Palmeiras leva ampla vantagem no histórico geral, com 231 vitórias em 475 partidas, além de 128 empates e 116 reveses (balançando as redes adversárias por 779 vezes e sendo vazado em 531 ocasiões).

Dentro de campo, alguns jogadores seguem detendo recordes após a partida de hoje: é o caso do meio-campista Bruno Henrique, que, ao entrar após o intervalo, no lugar de Thiago Santos, continua sendo o atleta do grupo alviverde que mais atuou neste Brasileirão: 21 partidas, de 23 possíveis. O camisa 19 só não atuou diante da Chapecoense, pela 3ª rodada do Nacional, e do Ceará, pela 11ª rodada.

Vale lembrar que Bruno Henrique ainda ampliou seu saldo de tempo em campo no Brasileiro de 2018: o camisa 19 acumula 1615 minutos ao todo, já considerando eventuais períodos de acréscimo concedidos pela arbitragem – é o atleta número um no quesito dentre seus companheiros de time. Além disso, o jogador iniciou a 23ª rodada do Nacional dentre os jogadores mais caçados do Brasileirão. De acordo com dados do Footstats, ele é o terceiro atleta do torneio que por mais vezes foi parado por seus adversários, com 51 infrações marcadas a seu favor, contra 65 de Elton e 69 de Gregore, ambos do Bahia.

Autor do primeiro gol da vitória palmeirense por 2 a 0, Willian Bigode também não pode ficar de fora deste grupo que detém marcas positivas. O atacante, dono da camisa 29, segue como o artilheiro do time no Brasileirão, agora com oito gols, e líder do posto de jogadores palmeirenses com mais partidas em 2018: são 49 duelos já considerando este diante do Atlético-PR.

Nas quatro linhas, Felipe Melo foi outro jogador que também chamou a atenção no novo posicionamento. Desde a última rodada, diante da Chapecoense, o camisa 30 não vem mais atuando como volante e, sim, mais adiantando, como um meia. O Pitbull, como é carinhosamente chamado pela torcida, iniciou a rodada dentre os 5 jogadores com mais viradas de bola no Campeonato Brasileiro, na 5ª colocação, com 18 toques. De acordo com o Footstats, o líder deste ranking é Vinicius, do Bahia, com 30 viradas de bola até o encerramento da rodada anterior.

Dono da camisa 7 palmeirense, Dudu também possui números impressionantes: é o atleta com maior número de partidas no Allianz Parque (91), com mais vitórias na arena (65 triunfos), o maior artilheiro (com 24 gols) e também o maior garçom (22 assistências). Em todas as vezes em que o atacante fez gols no estádio, o Palmeiras jamais saiu de campo derrotado.

Com 50 gols pelo Palmeiras desde que chegou ao clube, em 2015, Dudu soma 29 tentos só pelo Campeonato Brasileiro. Com isso, ele ocupa o posto de maior artilheiro do Palmeiras na história da competição disputada no sistema de pontos corridos (desde 2003).

Uma das novidades na partida diante do Furacão foi a titularidade do goleiro Fernando Prass, no lugar de Weverton, que vinha atuando. No clube desde 2013, o camisa 1 palmeirense é considerado ídolo pela torcida, com os títulos da Copa do Brasil de 2015 e do Brasileirão de 2016 no currículo. Prass acumula 261 jogos disputados pelo Verdão – é o atleta do atual elenco com mais partidas pelo clube.

Com a partida, o goleiro gaúcho igualou o mesmo número de jogos do ídolo Vágner Bacharel, que atuou no clube na década de 80, e ocupa agora e 44ª posição dos atletas que mais atuaram pelo Alviverde em todos os tempos – lista essa liderada por Ademir da Guia, com 902 jogos.

Fernando Prass ocupa ainda a 4ª colocação no ranking de jogadores com mais partidas no Campeonato Brasileiro: foram exatos 101 duelos disputados no Nacional. Apenas Wendel (108), Valdivia (121) e Marcos (169) estão à frente do goleiro nesta lista. E quando o assunto se restringe às vitórias em Brasileirões, Prass salta para a 3ª colocação, com 45 triunfos, atrás também da dupla Valdivia e Marcos (o chileno acumula 47 vitórias, enquanto o eterno santo palmeirense soma 67).

O atual camisa 1 palestrino detém marcas expressivas também em outras competições. Com 20 partidas pela Libertadores, o jogador é o segundo atleta que mais jogou o torneio continental, atrás apenas do ex-goleiro Marcos, que acumula 57 jogos na mais importante competição das Américas. Pela Libertadores, Prass defendeu o Palmeiras nas edições de 2013 (seis jogos), 2016 (seis jogos), 2017 (cinco jogos) e 2018 (uma partida).

Mas o grande destaque individual dentre jogadores que atuaram nesta noite ficou mesmo com Edu Dracena. O zagueiro palmeirense alcançou, nesta quarta-feira (05), contra o Furacão, a expressiva marca de 100 jogos com a camisa do Palmeiras. Ao todo, o defensor esmeraldino disputou 24 partidas em 2016, 48 partidas em 2017 e, agora, 28 partidas em 2018.

E não foram apenas os jogadores que ampliaram marcas próprias. Luiz Felipe Scolari é o treinador que por mais vezes dirigiu o Palmeiras contra o Atlético-PR e, hoje, ampliou este recorde. Foram, até aqui, dez embates disputados. Sob seu comando, o time venceu seis vezes, empatou três e foi derrotado em uma única oportunidade.

Em sua terceira passagem pelo Palestra Italia, o treinador soma 418 jogos no comando do clube, sendo 199 vitórias, 113 empates e 106 derrotas. Em 2018, o retrospecto é de sete triunfos, duas igualdades e apenas um revés.

Considerando apenas jogos na casa do Palmeiras, seja no período de Palestra Italia ou Allianz Parque, o atual comandante palmeirense dirigiu a equipe verde e branca 95 vezes. Foram 66 vitórias, 19 empates e 10 derrotas.

Inaugurado no dia 19 de novembro de 2014, o Allianz Parque já recebeu 117 partidas do Palmeiras. Foram 76 vitórias alviverdes, 21 empates e 20 derrotas. O Verdão balançou as redes 217 vezes e foi vazado em 95 oportunidades.

Os próximos dois compromissos do Verdão serão disputados em seus domínios, no Allianz Parque: no próximo domingo (09/09), contra o Corinthians, às 16h, pela 24ª rodada, e em 12/09 (quarta-feira), às 21h45, diante do Cruzeiro, pelas semifinais da Copa do Brasil (jogo de ida).

O jogo

Fernando Prass foi a principal novidade no time do Verdão. Em noite fria no Allianz Parque, o duelo entre Palmeiras e Atlético-PR mostrou equilíbrio nos 45 minutos iniciais, com poucas chances de gol criadas para os dois lados – as defesas dos dois times, aliás, se mostrar muito bem postadas.

As melhores oportunidades surgiram no segundo tempo. Com Bruno Henrique no lugar do aniversariante Thiago Santos após o intervalo, o time palmeirense não perdeu a ótima característica defensiva na etapa anterior, mas passou a articular jogadas que ofereciam mais perigo à meta do goleiro Santos.

Uma das chances, aliás, surgiu com Borja, pressionando a saída de bola do goleiro atleticano: o arqueiro rival chutou em direção ao meio de campo e acertou o colombiano no meio do caminho. A bola acabou rebatendo no camisa 9 palestrino e saiu pela linha de fundo, mas, por pouco, aquele não foi o primeiro gol do Verdão em sua casa, com 24.601 torcedores, na noite desta quarta-feira.

Aos 19 minutos, o Palmeiras vinha acuando o Atlético-PR e o equilíbrio já não era o mesmo do primeiro tempo. Falta aquele algo a mais. Neste instante, o técnico Luiz Felipe Scolari resolveu renovar o fôlego do ataque, colocando Deyverson no lugar de Borja.

O primeiro gol do Verdão saiu dos pés de Willian, após receber de Deyverson e passar por Jonathan, seu marcador. O camisa 29 tocou na saída do goleiro Santos e correu para comemorar. A jogada que originou o tento palmeirense começou com Dudu, camisa 7. (Palmeiras 1×0 Atlético-PR)

Após o tento marcado, o Alviverde cresceu na partida e passou a ser protagonista das principais jogadas. Raramente o Atlético-PR chegava no campo de defesa esmeraldino. A última alteração veio aos 41 minutos, quando Jean entrou no lugar de Dudu.

Na reta final da partida, o Palmeiras apenas administrou a vantagem, porém, sem deixar perder a consistência e a qualidade do futebol que vinha sendo apresentado. Já nos acréscimos (três minutos concedidos pela arbitragem), Willian invadiu com liberdade a área atleticana e sofreu pênalti após o goleiro Santos perder o tempo da bola.

Com isso, o último lance da partida, portanto, foi o pênalti. Para tanto, a arbitragem concedeu um minuto adicional para que a cobrança pudesse ser efetuada. Moisés partiu para o chute e, com categoria, converteu o penal. (Palmeiras 2×0 Atlético-PR)

Palmeiras: Fernando Prass; Mayke, Antônio Carlos, Edu Dracena e Victor Luis; Thiago Santos (Bruno Henrique, no intervalo), Felipe Melo e Moisés; Willian, Dudu (Jean, aos 41’/2ºT) e Borja (Deyverson, aos 19’/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Cartões amarelos: Fernando Prass e Dudu (PAL)

Gols: Willian (25’/2ºT) (1-0), Moisés (49’/2ºT) (2-0)

Anterior BASF conclui negócio de sementes de hortaliças
Próximo Atlético com show da torcida, bate o São Paulo no Horto