PERDA DO CAMPO VISUAL


Perda de campo visual pode estar relacionada à depressão em pacientes com glaucoma

O Chefe do Departamento de Glaucoma do Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB), Dr. Ricardo Yuji Abe, participou, como co-autor, de um estudo conduzido na Universidade da Califórnia de San Diego para avaliar a associação entre as taxas de perda de campo visual e a ocorrência de sintomas depressivos em pacientes com glaucoma.

O trabalho foi publicado no periódico Ophthalmology, da Academia Americana de Oftalmologia, com o título Fast Visual Field Progression Is Associated with Depressive Symptoms in Patients with Glaucoma (A perda acelerada de campo visual está associada a sintomas depressivos em pacientes com glaucoma). O trabalho teve como primeiro autor, o Dr. Alberto Diniz-Filho, médico pesquisador da Universidade da Califórnia, San Diego, sob orientação do Prof. Felipe A. Medeiros, cuja linha de pesquisa investiga o impacto do glaucoma na qualidade de vida dos pacientes.

Neste estudo, os médicos analisaram 204 olhos, de 102 pacientes com defeitos glaucomatosos no campo visual, ao longo de uma média de acompanhamento de seis meses a dois anos. Foram avaliadas as mudanças nos sintomas depressivos pelo cálculo da diferença entre os escores da Escala Geriátrica de Depressão (Geriatric Depression Scale – GDS).

Notou-se que a queda na sensibilidade da retina (medida através do exame do campo visual) estava associada a uma piora nos escores do questionário de Depressão, quando examinados ao longo do tempo. “Ou seja, percebemos que houve uma correlação significativa entre a mudança na pontuação do questionário que avalia os sintomas depressivos durante o acompanhamento e a mudança na sensibilidade aferida através do campo visual.

Dessa forma, levanta-se a hipótese de que a perda progressiva de campo visual pode estar relacionada ao surgimento de sintomas depressivos nos pacientes com glaucoma. Isso apenas reforça a importância do monitoramento da doença a fim de evitar uma queda na qualidade de vida”, afirmou Dr. Yuji Abe, médico do HOB.

Da Redação | Foto Divulgação
Sugestões portalaquitem@gmail.com

Anterior CURSO DE PRODUÇÃO DE CENOGRAFIA
Próximo UBER É APROVADO EM PESQUISA