Procurar um profissional quando o mal-estar não passar


Mal-estar
Mal-estar | Foto: Divulgação

No Hospital Santa Helena da Rede D’Or São Luiz, a maioria dos atendimentos clínicos no período de fim de ano ocorre por sintomas digestivos

Com a proximidade do fim do ano, aumenta também o número de festas e confraternizações entre empresas, amigos e famílias. Nesse período, a maioria dos atendimentos de emergência médica ocorre por intoxicação alimentar ou mal-estar em função da ingestão exagerada de alimentos ou bebidas.

No Hospital Santa Helena da Rede D’Or São Luiz, entre 25 de dezembro de 2016 e 1º de janeiro de 2017 houve aumento expressivo de atendimentos clínicos por doenças digestivas. A média mensal de 10% saltou para 30%, ou seja, acréscimo de 200% na demanda, de acordo com os dados divulgados pelo coordenador médico da emergência do hospital, Thiago Marinho.

Para o médico clínico Daniel Salomão, apesar de o incômodo ocasionado por essas situações atípicas ser passageiro, é preciso que o paciente fique alerta aos sintomas sentidos para identificar a hora de procurar um profissional. “A automedicação é bastante comum quando se tem um mal-estar em casa ou no pós-festa. Entretanto, sintomas contínuos podem ser sinais de problemas mais graves. É necessário que o paciente esteja alerta e, caso perceba que os incômodos persistem, procure o quanto antes um profissional de saúde”, avisa.

O clínico destaca ainda que, em sua maioria, as demandas neste período ocorrem por excesso de bebida ou alimentação, justamente por serem os itens mais consumidos nos eventos. “Nessas ocasiões, costuma-se comer bastante fora de casa. São alimentos feitos em grandes quantidades e por muitas pessoas. Muda-se a forma de preparo, e aspectos como o tempo de consumo e acondicionamento dos alimentos devem ser levadas em consideração”, ressalta. E completa: “Por todos esses fatores, amplia-se a nossa exposição e, assim, consequentemente, a possibilidade de desenvolver problemas gastrointestinais”, conclui.

Entre os sintomas que a pessoa deve observar, estão gases, cólica, diarreia e intoxicação alcoólica. Daniel enfatiza que sentir dores abdominais fortes ou contínuas é sinal de alerta de que algo no corpo não está bem. “Dores podem ser sinal de problemas mais graves como diverticulite, pancreatite ou infecções intestinais mais sérias. Independentemente do intervalo entre a ingestão e a ocorrência do mal-estar, em especial, se as dores forem intensas ou continuadas, o paciente deve ir logo para o hospital. É preciso suspender a automedicação e procurar um médico para se ter o diagnóstico correto”, pontua.

Quanto à “famosa” ressaca, Daniel explica que, caso a pessoa perceba que exagerou, deve ingerir bastante água e, após 24h, se ainda acordar meio sonolenta,também pode procurar um profissional.

Fique atento aos sinais de alerta
– Vômitos persistentes;
– Dores contínuas, longas e persistentes;
– Desmaios;
– Sangramentos digestivos;
– Diarreia é tolerada até 72h, após esse período deve-se procurar emergência.

Para evitar mal-estar:
– Tome bastante água;
– Evite alimentos com os quais não esteja acostumado;
– Evite exageros.

Sobre a Rede D’Or São Luiz

Fundada em 1977, no Rio de Janeiro, a Rede D’Or São Luiz é a maior rede de hospitais privados do Brasil, com presença no Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Bahia e Sergipe. O grupo opera com 39 hospitais próprios e um hospital sob gestão.

Possui 5,6 mil leitos, e tem planos de chegar a 8 mil leitos em 5 anos. São ao todo 43 mil funcionários e 87 mil médicos credenciados, que realizam cerca de 3,48 milhões de atendimentos de emergência; 229,8 mil cirurgias; 30,3 mil partos e 401,2 mil internações por ano, além de 4.000 cirurgias robóticas em três anos, desde o início do novo serviço.

A Rede D’Or São Luiz também conta com a Oncologia D’Or, rede de clínicas especializadas em tratamento oncológico em sete estados brasileiros.

Anterior Ibama espera levantar R$ 4 bi com conversão de multas
Próximo Atualização da Convenção de Condomínio: uma árdua missão